quarta-feira, 28 de outubro de 2009

TEXTO PARA ESTUDO - MATEMÁTICA


AS CRIANÇAS E A FUNÇÃO SOCIAL DOS NÚMEROS
Célia Maria Carolino Pires



Introdução
Desde muito pequenas, geralmente incentivadas pelos adultos que as rodeiam, as crianças brincam de contar: 1, 2, 3, 4, 5... Por meio de brincadeiras e de interação com situações da vida cotidiana, elas vão tendo contatos com os números naturais, que formam um conjunto infinito de números, do qual também faz parte o número zero.
Os números naturais são usados em situações diversas e desempenham diferentes funções. Em determinadas situações, o número natural é um indicador de quantidade. Ele permite evocar uma quantidade, mentalmente, sem que ela esteja fisicamente presente: quantos são os dias do mês, quantos são os meus irmãos etc.. Nesse caso, dizemos que o número natural está sendo considerado em seu aspecto cardinal.
Em outras situações o número natural é um indicador de posição. Quer dizer: ele possibilita guardar o lugar ocupado por um objeto, pessoa ou acontecimentos: abril é o quarto mês do ano, eu sento na terceira carteira da fila da janela etc.. É o chamado aspecto ordinal.
Há ainda situações em que os números naturais são usados como código, o que não tem necessariamente ligação com o aspecto cardinal, nem com o aspecto ordinal: o número de telefone, de placa de carro, do ônibus etc... Sintetizando, podemos dizer que os números naturais assumem diferentes funções, a saber:
- Memória da quantidade (aspecto cardinal).
- Memória da posição (aspecto ordinal).
- Instrumento para codificar.


Para que servem os números? O que pensam as crianças?


É razoavelmente recente a descoberta de que as crianças convivem com a Matemática muito antes de ingressarem na escola. Buscam soluções para problemas, constroem conhecimentos, elaboram explicações e dão conta de resolver situações fazendo uso de procedimentos matemáticos.
Desse modo, as atividades numéricas abordadas nos primeiros anos de escolaridade deveriam ser uma continuidade natural das experiências vividas fora da escola. São os contatos preliminares com um conceito que será construído por um longo período de tempo: o conceito de número.
As crianças têm muitas idéias a respeito do uso dos números e, tal fato, ao longo do tempo, nem sempre mereceu nossa atenção. Conhecer essas idéias, ou seja, as hipóteses que as crianças formulam sobre os números naturais, em particular, sobre suas funções é o ponto de partida para a formulação de uma nova didática para o ensino de números.
Para ilustrar essas afirmações transcrevemos abaixo alguns resultados de uma investigação realizada por professoras de turmas de Educação Infantil e da primeira série do Ensino Fundamental. Observe-as:
I. Respostas crianças de 5 anos, alunos na pré-escola, às quais se perguntou: para que servem os números?
Para contar coisas.
Para marcar o dia dos compromissos e datas importantes.
Para saber o dia no calendário.
Para fazer contas.
Para saber matemática.
Para a contagem quando lança um foguete.
Para fazer lista de regras.
Para saber o dia do aniversário.
Para medir na régua.
Para saber quantos anos tem.
Para saber o nosso peso.
Para saber as horas.
II. Respostas de crianças de 6 anos, alunos de pré-escola ou próximos a completar essa idade.
Para contar.
Para olhar no calendário.
Para fazer contas.
Para saber quantos anos nós temos.
Para saber os dias, até o 31.
Para saber o dia do aniversário.
Para ver as horas.
Para contar, para pagar, para saber quanto custa.
Para saber se é caro.
Para usar a calculadora.
Para saber o número da roupa.
Saber quanto a gente pesa, saber o nosso tamanho.
Para pensar.
III. Respostas de crianças de 7 anos, cursando o primeiro ano do ensino fundamental:
Para fazer contas.
Para fazer atividades de matemática.
Para ir bem na prova de matemática.
Passar de ano.
Para contar as coisas.
Saber as horas.


Em função dessas respostas, a professora decidiu fazer uma intervenção perguntando: só para isso os números servem? Só na escola vocês usam os números? A partir desse questionamento, as crianças deram outras respostas:
Para marcar o número do jogador que fez a falta. É mais fácil escrever um número naquele caderninho do que escrever o nome do jogador.
Para pagar o lanche para o tio da cantina.
Saber os dias e meses.
Para responder a chamada.
Contar o dinheiro.
Ver a placa de velocidade na estrada.
O grau da lente do óculos e o número do tênis.
Saber o número da carteira de motorista.
Saber o dia do aniversário.
Saber em que série estamos e qual o número da nossa sala.
Medir o tamanho das coisas, os metros, a altura das pessoas e a gordura.
Saber a data de validade de um produto, para não usar estragado.

Algumas conclusões


Como é possível perceber a partir dos depoimentos coletados, as crianças percebem diferentes funções dos números, mesmo antes de freqüentarem a escola. Pudemos observar que a função de indicador de quantidade ou memória de quantidade (aspecto cardinal) é percebida por elas quando afirmam que o número serve para contar coisas, para saber quantos anos nós temos, para medir o tamanho das coisas, os metros, a altura das pessoas e a gordura, entre outras.
Elas também indicam situações em que os números naturais são usados como instrumento para codificar, quando uma delas diz que servem para saber o número da carta de motorista. Uma delas aponta ainda uma situação em o número é um indicador de posição (aspecto ordinal), quando diz que o número serve para saber “em que série estamos”.
Além disso, em algumas respostas, associam o uso dos números às atividades escolares que realizam: para fazer prova de matemática, para passar de ano etc. Evidentemente, não precisamos apresentar essas diferentes funções formalmente às crianças. Elas devem orientar a escolha das atividades que serão propostas, quando a criança perceberá as diferentes funções e usos sociais dos números.

Um comentário:

LI KATUKI disse...

amei tudo aqui nossa imagina tenho 4 filhos kkkkk bjs