quarta-feira, 17 de julho de 2013

PROJETO FOTONOVELAS E HISTÓRIAS EM QUADRINHOS


Objetivos
No trabalho com fotonovela, o objetivo principal é aproximar os alunos de um  gênero bastante divulgado de literatura (e de entretenimento) comum nas décadas  de 1950 a 70. Para as Histórias em Quadrinhos, podemos dizer que os alunos já  convivem com esse gênero cotidianamente e o que desejamos é que sejam 
produtores dessas histórias. Em ambos os casos, colocar os alunos na posição de  produtores de textos, não só de leitores, é uma atividade que exercita a estética,  pois aí entram o desenho e a representação teatral como aliadas desses dois gêneros. 

Conversando sobre os gêneros 
Quem já leu uma fotonovela? Muito comum nas décadas anteriores às  telenovelas, as histórias fotografadas vendiam muito e encantavam leitores no mundo todo. Assim como hoje na TV e cinema, as fotonovelas tinham seus ídolos, galãs, musas, amados e vilões. Trata-se de um gênero que “brinca” e dialoga com texto e imagem ao mesmo tempo, num casamento bem arranjado. 
As histórias em quadrinhos estão por toda parte e são uma mania mundial. 
Desde as mais simples até gibis confeccionados por artistas plásticos que valem quase uma fortuna. Muitos heróis, que foram criados para as histórias em quadrinhos, se transformaram em sucesso do cinema, como Batman, Homem Aranha, Super-Homem e os mais recentes Quarteto Fantástico e Os Incríveis. 
Ambos os gêneros trabalham com o diálogo entre texto e imagem. Diferem em relação ao formato. A imagem/ação é representada via fotografia ou via desenhos, mantendo a idéia de quadros para encadear a história. 
Professor, comece contando sua experiência com a leitura desses gêneros ou fale de sua “não-experiência”, o que é muito importante também. Ou seja, dizer aos alunos que aprenderão juntos a ler e a fazer fotonovelas e quadrinhos. Para essa atividade, os alunos precisarão desenhar e fotografar as cenas, portanto, material de desenho e material fotográfico são essenciais. Pode-se fotografar com qualquer máquina, o importante é lembrar que as fotos deverão ser reveladas ou impressas, caso a máquina seja modelo digital. 

Seqüência de atividades: 
1. Tanto a fotonovela como as histórias em quadrinhos possuem trajetórias e curiosidades incríveis sobre seu surgimento, sua divulgação pelo mundo, seus grandes autores etc. Uma boa pesquisa para começar o trabalho será bemvinda. Ela pode incluir livros, internet e entrevistas com familiares, outros professores, jornaleiros de bancas de revistas e jornais, além de jovens de ensino médio e até universitários. Importante lembrar que as HQs são lidas por um público muito diverso e que muitos podem contribuir para a coleta de dados.
2. Professor, é possível que muitos alunos não conheçam fotonovelas, dado a distância entre as gerações. Leve algumas para a sala de aula para que possam conhecer o formato. Se não tiver um exemplar para mostrar, procure em sebos (livrarias que vendem livros e revistas usados). Nesse gênero, não basta saber de sua existência. É preciso conhecer o formato, pois ele é determinante. Faça uma roda de leitura, um Mar de Histórias, com fotonovelas e histórias em quadrinhos. Monte uma roda bem animada, na qual os alunos possam observar detalhes das revistas, os diferentes ilustradores, as maneiras distintas como as imagens são dispostas nas páginas, a maneira como o texto é inserido. Escolha trechos para ler, cenas que julgar interessantes para analisar. Faça uma pesquisa sobre os heróis preferidos da classe. Lembre-se de que se está trabalhando com gêneros que possuem a imagem como aliada fundamental da escrita. A imagem é considerada texto por muitos especialistas, portanto, ela sugere outro ritmo de leitura, um novo jeito de ler e de olhar.
3. Depois de familiarizados com as revistas e suas histórias, o grupo de professores irá decidir se quer fazer HQs ou fotonovelas. Ou talvez os dois! Para a fotonovela, o primeiro passo é a escolha de um texto. Os alunos podem criar uma história ou adaptar um texto para fotonovela, que pode ser um conto, uma lenda, uma fábula ou uma crônica. Muitos gêneros podem ser adaptados. Professor: aproveite algum texto ou gênero que já esteja trabalhando em Língua Portuguesa. É preciso refletir/estudar com os alunos as características das narrativas de fotonovelas: texto não muito longo, ações sequenciadas (ainda que possam acontecer digressões), importância maior na expressão que na figura do narrador para que as imagens/fotos 
comuniquem sentimentos e atitudes. 
*Para as HQs, o caminho pode ser invertido, ou seja, pode-se começar pela criação de algumas imagens se o desejo for criar um personagem, um super herói, um tipo engraçado, um tipo caricato etc. Na criação de um personagem, várias habilidades/desafios se colocam para o aluno: quem é o personagem, o que ele faz, o que ele pensa, quais confusões e problemas ele enfrenta, quais problemáticas/dilemas do mundo ele discutirá etc. Depois de criado o personagem e suas características, é necessário criar o enredo e aliar texto e imagem. Porém, em HQs, também é possível adaptar textos de outros gêneros e até textos do cotidiano. Atualmente, é bastante comum termos todos os assuntos: ciências, política, economia, religião transformados em histórias em quadrinhos! Assim, o trabalho pode acontecer em parceria com outras áreas e disciplinas. Professor: a leitura do livro História em Quadrinhos na Escola, de Flávio Calazans, pode ser um valioso auxiliar neste projeto. 
4. Várias aulas devem ser destinadas a essas atividades, já que o trabalho de criação pode ser lento e necessitar de revisões, alterações, diálogos entre os grupos de alunos e os professores. Uma parceria com a área de artes é bem-vinda, em especial na escolha dos melhores materiais a serem trabalhados (giz de cera, caneta, lápis, colagem, caneta hidrocor). É preciso definir, com antecedência, o melhor material para o tipo de desenho que os alunos vão criar. Para a fotonovela, é preciso lembrar que os alunos precisarão, necessariamente,fotografar as cenas.
5. Também para a fotonovela, deve-se ensaiar as cenas antes de fotografar, pois elas necessitam comunicar o que se deseja dizer, mas precisam também caber num espaço determinado de página. É preciso aprofundar com os alunos a questão estética desse gênero, pois ele é determinante para o resultado final. Várias aprendizagens/habilidades devem ser colocadas em prática, como o manejo da máquina fotográfica (que atua como um diretor de cinema ao dirigir a cena), a dramaticidade dos alunos e a comunicação dessa dramatização através da foto e do texto. Para ambos os trabalhos, a disposição do texto em balões ou legendas e a fala do narrador são fundamentais. 
6. Professor, depois de prontos os trabalhos, faça uma exposição. Expor o que foi feito deixará todos muito felizes e orgulhosos. Uma exposição poderá cativar futuros leitores de HQs e fotonovelas!

Um comentário:

Gracita disse...

Olá Priscila
Parabéns pelo excelente projeto. Com certeza a produção textual terá um grande ganho.
Hoje vim deixar meu abraço de afeto e carinho. Vou ausentar-me por alguns dias para descansar. Voltarei energizada. Meu coração se encherá de saudade mas esta pausa é necessária. Agradeço a sua visita ao meu recanto poético. Você o deixa iluminado com teu halo de luz. O teu carinho e a tua amizade são muito importantes para mim. Deixo beijokinhas com sabor de saudade recheadas com o carinho da minha amizade.
Gracita
Tem um mimo pra você!